A protagonista Yukimura Chizuru é a filha de um médico que trabalha em Edo. O pai deixa Edo para trabalhar como médico voluntário e segue para Kyoto sem a filha. Como o tempo passa, Chizuru começa a se preocupar em perder contato com seu pai, então ela decide ir para Kyoto em busca dele. No caminho, Chizuru é atacada por alguns criminosos e testemunha uma luta entre um oni e um Shinsengumi.


Ele a salva e a leva em custódia, o Shinsengumi debate sobre o que fazer com Chizuru quando descobrem que ela é filha do médico que também estão procurando. Então, eles decidem tornar-se protetores de Chizuru e ajudá-la a procurar seu pai (o médico). Pequeno detalhe, eles não sabem que ela é uma garota rsrss.

 

 

Episódios AVI

             

01

Link1

Link2

       

02

Link1 Link2        

03

Link1 Link2        

04

Link1

Link2        

05

Link1 Link2        

06

Link1 Link2        

07

Link1 Link2        

08

Link1 Link2        

09

Link1 Link2        

10

Link1 Link2        

11

Link1 Link2        

12F

Link1 Link2        
             
             

 

Curiosidades

 

Hajime Saitou (1844/1915), nasceu em Edo, Província de Musashi (hoje Tóquio). Sua personalidade é comumente descrita como "não era um homem predisposto a conversa mole". Entre seus feitos se destacam a espionagem interna em possíveis inimigos (Itou). Se casou com Tokio Takagi, filha de Kojuro Takagi, um O-metsuke ou inspetor principal/senior. Saitou bebia muito, e isto possivelmente contribuiu para sua úlcera estomacal que o matou em 1915, aos 71 anos. Há um história de que, já em idade avançada, visitou um dojo no Japão e ao verificar que todos treinavam com espadas de madeira, perguntou "é com isso que vocês treinam? Podem vir todos me atacar!". A história conta que Saitou derrotou todos e, no final, disse "o Kenjutsu (arte da espada) acabou!".

 

Harada Sanosuke (1840/1868), nascido em Matsuyama, Prefeitura de Ehime, Japão. Ele adorava lutar e estava presente em todas as lutas que poderiam decidir o destino do Shinsegumi, era um homem rude e de pavio curto, embora fosse muito sentimental valorizando seus amigos e tratando muito bem seus subordinados. Tinha uma cicatriz na barriga, fruto de um harakiri, um ritual suicídio fracassado. Praticamente morreu na guerra de Ueno mas há quem diga que ele sobreviveu e se tornou um Nômade na China. Harada teve uma mulher e dois filhos. Serviu de inspiração para a criação do personagem Sanosuke Sagara em Rurouni Kenshin

 

Nagakura Shinpachi(1839/1915), nasceu no feudo de Matsumae, em Edo. Quando o Shinsengumi foi formado, Nagakura ingressou tornando-se o capitão da 2ª divisão. Quando Okita se sentia doente, Nagakura algumas vezes comandava ambas as divisões: A Ichibantai e Nibantai.
Além disso Nagakura escreveu em vários livros muitas memórias sobre o Shinsengumi, e isto se tornou uma das principais fontes para conseguirmos entender o que foi o Shinsengumi, como eram os capitães e por que lutavam.  É dito que ele gostava bastante de filmes estrangeiros. Uma vez ele comentou “Desde que eu tenho vivido a muito tempo, eu fui capaz de ver maravilhosas civilizações. É uma sensação estranha. Se Kondou e Hijikata estivessem vivos até hoje, e fossem ver um filme, que cara será que eles fariam ao assistirem?” Nagakura morreu no dia 5 de Janeiro de 1915, com 76 anos de idade, causado por envenenamento sanguíneo pego através de um ferimento em seus dentes.

 

Souji Okita(1844/1868), Era conhecido por ser um grande espadachim e pelo seu carácter amável, tendo sido um dos melhores do Shinsengumi juntamente com Saito Hajime e Shinpachi Nagakura. Morreu aos 25 anos vítima de tuberculose, uma doença incurável na época. Alguns amigos diziam em inscrições, que Okita era na verdade uma mulher, que havia se disfarçado para entrar no exército e vingar a morte dos pais, outros dizem que era apenas um homem com aparência e traços severamente femininos, registros da época diziam que era um homem de força incomum, porém braços finos, voz suave, pele macia e rosto extremamente afeminado. O mais estranho na vida de Okita é que quase não se sabe muito sobre a sua infância, mas uma coisa eu devo dizer sobre ele, se ele não morresse da doença, com certeza seria o companheiro de morte de Hijikata no campo de batalha. Não se consideravam amigos, mas na verdade sabemos que Hijikata foi seu mentor desde que entrou no shinsengumi aos 9 anos de idade e já se tornou capitão por sua eficiência e poder de luta.

 

Hijikata Toshizou(1835/1869), nascido em Hino em Edo. Hijikata era conhecido por ser habilidoso e impiedoso com sua espada, o Kanesada, daí o seu apelido: "O demônio do Shinsengumi". Mesmo dentro da própria milícia, os regulamentos foram rigorosamente aplicadas por Hijikata. Desertores e traidores foram forçados a cometer sepukku, o que aconteceu com Yamanami (um dos velhos amigos Hijikata) quando tentava deixar Shinsengumi em 1865.  Juntamente com o resto do Shinsengumi, Hijikata tornou-se um hatamoto em 1867. Em Hakodate, foi feito de vice-ministro do Exército na nova República Ezo . Ele sabia que estava lutando uma batalha perdida, e disse o médico Matsumoto Ryojun que "eu não estou indo para a batalha para ganhar. Com o governo de Tokugawa prestes a ruir, seria uma vergonha se ninguém estivesse disposto a ir para baixo com ele. É por isso que devo ir. Lutarei a melhor batalha de minha vida e morrerei pela minha pátria ". Em 20 de junho de 1869, ele foi morto perto de Hakodate, enquanto levou uma bala nas costas em combate montado em seu cavalo. Não se sabe onde foi enterrado, mas um túmulo memorial fica perto da Estação de Itabashi em Tóquio, ao lado de Kondou Isami. O poema de morte que ele deixou aos cuidados de Ichimura Tetsunosuke pouco antes de partir foi: "Ainda que meu corpo morra em decadência na ilha de Ezo, meu espírito guardará o meu senhor, no leste."

 

Kondou Isami(1834/1868), Em 1863, o Shogunato Tokugawa organizou um grupo grande de ronin com a finalidade de proteger o shogun Iemochi durante o tempo em Kyoto. Kondô se juntou a unidade, que ficou conhecido como o Shinsengumi, Após a batalha de Toba-Fushimi, em Janeiro de 1868, ele retornou a Edo, e foi promovido ao posto de wakadoshiyori, lutou com a força enviada pela Corte Imperial, mas perdeu, principalmente nas batalhas de Koshu-Katsunuma e Nagareyama. Após se render, foi decapitado em Itabashi em 17 de maio 1868.  De acordo com Tani Tateki (1837-1911) da dinastia Han Tosa, Kondo foi executado pelo novo governo (formado principalmente pelos samurais do Choshu e Satsuma) como resultado direto de ser acusado do assassinato de Sakamoto Ryoma, mas era inocente . Ele tem vários locais de sepultura, acredita-se que o primeiro deles era o túmulo erguido em Itabashi por Hijikata Toshizou.